Nesse exato momento, o Sol está criando erupções violentas capazes de eliminar a tecnologia em que somos tão dependentes, e uma nova pesquisa descobriu que essas explosões são ainda mais difíceis de prever do que os cientistas pensaram primeiramente.

Publicidade

“Até agora, assumiu-se que as ejeções de massa coronal movem-se como bolhas através do espaço e respondem às forças como objetos únicos”, disse Mathew Owens, autor principal da Universidade de Reading.

Ao acelerar através do Sistema Solar em até 2000 km por segundo, as ejeções de massa coronal são explosões poderosas de fluxo magnético e gás carregado que entra em erupção de pontos ativos na superfície do Sol.

Essas coisas atingem a Terra dentro de um a três dias e podem ocorrer a cada poucas horas quando a atividade solar está em seu pico. Elas são uma força motriz do clima espacial extremo, provocando tempestades geomagnéticas que podem fritar redes elétricas, redes de comunicação e expor os astronautas a radiações causadoras de câncer.

Se isso não é bastante assustador, um estudo anterior da mesma equipe prevê que uma queda na atividade magnética do Sol tornará a Terra ainda mais vulnerável a esses eventos violentos.

Com isso em mente, precisamos nos preparar antes da hora para sobreviver à interrupção. Mas mesmo que as ejeções da massa coronal aconteçam frequentemente, os cientistas ainda lutam para prever quando essas erupções supersônicas baterão a atmosfera da Terra.

Fonte: Science Alert

Que tal contribuir com um ponto? 😉

30 pontos
Upvote Downvote

Total votes: 48

Upvotes: 39

Upvotes percentage: 81.250000%

Downvotes: 9

Downvotes percentage: 18.750000%

Comentários

CONTINUAR LENDO
Publicidade