Publicidade

Nos dias de hoje, temos o luxo de avanços medicinais e tecnológicos que ajudam o processo de cicatrização de doenças e lesões. O passado foi uma época muito mais difícil para tratar pacientes, com procedimentos e equipamentos desatualizados. Embora nos despedimos de doenças como a poliomielite há décadas, pacientes que sofreram com esta doença lidaram com circunstâncias e consequências difíceis.

Publicidade

Em 1952, um jovem do Texas contraiu a poliomielite aos 5 anos e, como resultado, é agora um homem que ficou preso em uma máquina por mais de 60 anos. Conheça Paul Alexander, um nativo de Dallas, que teve o infortúnio de lutar contra a doença debilitante da poliomielite desde uma idade muito jovem. Ele enfrentou imensos problemas de respiração, e naquela época, as vítimas desta doença tinham que ser colocadas dentro de uma máquina chamada “pulmão de ferro”.

Esse método antigo envolve a colocação da pessoa em uma câmara, onde um vácuo dentro dela ajudaria os pacientes com sua inalação e expiração, enchendo os pulmões com oxigênio. Esta foi uma das invenções mais bem sucedidas da sua época, salvando a vida de milhares que lidavam com problemas respiratórios. Embora a doença atingisse principalmente crianças, a maioria deixaria de usar o pulmão de ferro no momento em que chegassem a seus anos adultos.

No caso de Paul, ele já está com 70 anos e ainda requer intubação. Para uma máquina que não é mais fabricada desde a década de 1960, esta é uma façanha e realização incríveis, para um homem que ainda está lutando todos os dias. Não só seus pulmões foram afetados pela pólio, mas infelizmente ele ficou paralisado da cintura abaixo como resultado da doença.

Apesar de tudo isso, Paul teve coragem e correu atrás de uma educação universitária, na esperança de se tornar um advogado. Para fazer isso, ele precisaria de uma cadeira de rodas, e tinha que levar o pulmão de ferro com ele em todos os lugares que ia. Ao frequentar a Universidade do Texas, ele o trouxe para o dormitório, o que deixou as pessoas horrorizadas, pois ele tinha que viver com isso durante sua estadia. Embora este fosse um grande obstáculo, Paul perseverou sem hesitar e fez mil amigos, que estavam extremamente curiosos sobre esse homem misterioso que estava preso a um tubo.

Hoje, ele ainda necessita da assistência do pulmão de ferro. Embora foram feitos avanços e desenvolvidas novas alternativas, argumenta-se que até agora, este ainda é o método mais eficaz e eficiente para tratar esta doença.

Embora tenha impressionantemente durado todo esse tempo, a jornada não foi sem algumas pedras no caminho. Em 2015, a máquina teve problemas mecânicos e, como Paul é um dos últimos usando esta máquina que não é fabricada há um bom tempo, foi difícil de reparar. Alcançando a atenção do YouTube, ele encontrou um mecânico chamado Brady Richards que estava disposto a ajudar. O homem trouxe a máquina desatualizada para sua oficina, o que deixou os trabalhadores mais jovens desconcertados. Felizmente, eles colaboraram para consertá-la, e agora está funcionando tão bem quanto antes.

Agora, esse homem-milagre está escrevendo sua história inspiradora, que será o assunto de um livro que conta a história de sua vida. O que é mais impressionante é que ele está escrevendo com a caneta na boca e continuando a surpreender a todos aqueles que testemunharam e ouviram sobre sua história tocante.

Fonte: Providr

Leave your vote

1 point
Upvote Downvote

Total votes: 1

Upvotes: 1

Upvotes percentage: 100.000000%

Downvotes: 0

Downvotes percentage: 0.000000%

CONTINUAR LENDO
Publicidade
Carregando...